Inacção da CML

Protesto pelo encerramento definitivo da antiga oculista Óptica do Chiado/Ramos & Silva 1024 1024 Paulo Ferrero

Protesto pelo encerramento definitivo da antiga oculista Óptica do Chiado/Ramos & Silva

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas
Exma. Sra. Vereadora do Urbanismo
Eng. Joana Almeida
C.C. AML e LUSA
É com surpresa e tristeza, mau grado as promessas da CML em contrário, que constatamos que a loja da antiga oculista Óptica do Chiado/Ramos & Silva, até há pouco propriedade do grupo André Ópticas, não se manterá no nº 63-65 da Rua Garrett, quando se concluírem as obras de alterações que decorrem no edifício.
Lembramos a V. Exas. que esta loja foi desenhada pelo arq. Fernando Silva em 1954 e era notável pela sua modernidade e funcionalidade, uma “loja de detalhe”, algo já raro em Lisboa e que, por isso mesmo, foi inscrita em 2012 na Carta Municipal do Património anexa a Plano Director Municipal em vigor (item 20.37 Óptica do Chiado / Rua Garrett, 63-65).
Também o programa Lojas Com História a haveria de galardoar, pelo que esta é a enésima baixa a registar nesse âmbito.
Não conseguimos compreender, muito menos aceitar, que a CML, ao contrário do que por mais do que uma vez nos assegurou, de que as obras do prédio não poriam em causa a manutenção da loja classificada, em vez disso, aprove o seu contrário, isto é, a sua destruição.
Protestamos contra o continuado desrespeito da CML pela regulamentação que ela própria produz e reduz a uma caricatura, contra a demagogia e a hipocrisia generalizada, contra a miopia da CML e a total ausência, de anos a esta parte, de uma política capaz de Urbanismo Comercial que em vez de combater a descaracterização e desvalorização do comércio local, antes a promove.
Com os melhores cumprimentos
Paulo Ferrero, Fernando Jorge, Eurico de Barros, Pedro Jordão, Nuno Caiado, Maria Teresa Goulão, Rui Pedro Barbosa, Helena Espvall, Rui Pedro Martins, Gustavo da Cunha, António Araújo, Fátima Castanheira, Bernardo Ferreira de Carvalho, Maria do Rosário Reiche, Luis Mascarenhas Gaivão, Filipe de Portugal, Carlos Boavida, Miguel de Sepúlveda Velloso, Madalena Martins, Beatriz Empis, Teresa Teixeira, José Maria Amador, Jorge Pinto, Ruth da Gama, Maria Ramalho
Foto de Artur Lourenço
A Minhota – Novo e veemente protesto à CML 986 1024 Paulo Ferrero

A Minhota – Novo e veemente protesto à CML

Exmo. Sr. Presidente Eng. Carlos Moedas
Exma. Sra. Vereadora Eng. Joana Almeida
CC. AML e media
Decorridos 2 anos exactos sobre o nosso último pedido de esclarecimentos à CML (http://cidadanialx.blogspot.com/2020/10/a-minhota-obras-ilegais-pedido-de.html) sobre a situação indecorosa, que a todos devia envergonhar, em que se encontrava a histórica leitaria e manteigaria “A Minhota”, na Rua de São José, constatamos que tudo se encontra na mesma apesar do embargo camarário de 2019 às obras ilegais então em curso, ou seja:
Uma loja classificada “Loja com História”, que pelo facto de ter uma decoração interior e exterior de grande valor para a cidade a elevam à Carta Municipal do Património (montra em ferro e painel de azulejos publicitários, armários de madeira originais, sistema de prateleiras em pedra com desenho cuidado, tectos de estuque e diversas raridades das leitarias do final do século XIX), continua no estado calamitoso de que as fotografias em anexo são testemunho (fotos tiradas em 26.10.2022), e em que assume particular carga simbólica a placa identificativa do LCH completamente amolgada.
Perguntamos ao novo Executivo da CML como é que é possível que passados 3 anos sobre um embargo, não tenha havido obras de reposição do que foi estropiado em 2019 e de restauro desta loja absolutamente única em Lisboa?
Trata-se, a nosso ver, de um daqueles casos em que se justifica a tomada administrativa da loja por parte da CML e a execução de obras coercivas.
Com os melhores cumprimentos
Paulo Ferrero, Nuno Caiado, Miguel de Sepúlveda Velloso, Fernando Jorge, Pedro Jordão, Fátima Castanheira, Maria Teresa Goulão, Jorge Pinto, Helena Espvall, Gonçalo Cornélio da Silva, Gustavo da Cunha, Paula Cristina Peralta, Rui Pedro Martins, José Maria Amador, Miguel Atanásio Carvalho, Carlos Boavida, Beatriz Empis, Irene Santos, João B. Teixeira, Maria do Rosário Reiche
Fotos de Fernando Jorge
Largo do Mastro e Chafariz em estado deplorável 768 1024 Paulo Ferrero

Largo do Mastro e Chafariz em estado deplorável

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas, 
Exma. Sra. Presidente da Junta de Freguesia de Arroios
Dra. Madalena Natividade
Serve o presente para reclamarmos junto de V. Exas. pelo estado deplorável e vergonhoso em que se encontra o Largo do Mastro e o respectivo chafariz histórico, conforme poderão constatar pelas fotografias em anexo, tiradas ontem, dia 27 de Setembro.
E solicitamos à CML e à Junta de Freguesia de Arroios que providenciem a recuperação deste importante espaço público da cidade de Lisboa, tendo em conta que, ainda recentemente, intervieram no Largo do Mitelo e Paço da Rainha (independentemente das críticas que, na altura vos endereçámos, relativas aos acabamentos e alguns pormenores da obra que ali foi feita).
Na expectativa, apresentamos os melhores cumprimentos
Paulo Ferrero, Nuno Caiado, Miguel de Sepúlveda Velloso, Fernando Jorge, Carlos Boavida, Helena Espvall, Maria Teresa Goulão, Beatriz Empis, Miguel Atanásio Carvalho, Rui Pedro Martins, Jorge Pinto, Fátima Castanheira, Maria do Rosário Reiche, Irene Santos, Gustavo da Cunha, Bernardo Ferreira de Carvalho
Fotos: Fernando Jorge
Palácio Pombal fechado e com janelas entaipadas! 768 1024 Paulo Ferrero

Palácio Pombal fechado e com janelas entaipadas!

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas
CC. AML, Vereador da Cultura, JF Misericórdia, EGEAC e agência LUSA
Constatámos ontem que o Palácio Pombal, Imóvel de Interesse Público e propriedade da CML, se encontra fechado e com janelas entaipadas com painéis (!), conforme fotografia em anexo.
Solicitamos a V. Exa. que nos informe sobre a situação deste importantíssimo palácio, propriedade da cidade, designadamente se a EGEAC já não é responsável pela sua manutenção e exploração.
Com os melhores cumprimentos
Paulo Ferrero, Nuno Caiado, Pedro Jordão, Ana Celeste Glória, Inês Beleza Barreiros, Carlos Boavida, José Maria Amador, Raquel Henriques da Silva, Helena Espvall, Rui Pedro Martins, Irene Santos, Jorge Pinto, Beatriz Empis, Maria do Rosário Reiche, Filipe de Portugal e Gustavo da Cunha
Estado deplorável da parede falsa do Largo de São Domingos – apêlo ao PCML 1024 965 Paulo Ferrero

Estado deplorável da parede falsa do Largo de São Domingos – apêlo ao PCML

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas

CC. AML, JF e media

Serve o presente para darmos conta a V. Exa. do estado deplorável em que se encontra a parede falsa que cobre o muro original do troço do Largo de São Domingos/ Rua Barros Queirós, de cujas imagens tiradas ontem, dia 14, são a melhor prova.

Caso não seja do conhecimento de V.Exa., esta parede falsa foi colocada naquele muro por ocasião da instalação de um memorial evocativo dos 500 anos do massacre de judeus, ocorrido naquele largo em 1506. A parede fazia parte de um conjunto de instalações, todas vandalizadas e em que, inclusive, a oliveira, para ali transplantada na ocasião, foi selvaticamente podada há poucos meses.

Cremos que o estado desta parede falsa é indigno da cidade e envergonha-nos a todos, mais a mais localizando-se num ponto de extrema atracção turística.

Solicitamos a melhor atenção do Presidente da CML para esta situação, de modo a que os serviços competentes façam o que já devia ter sido feito, isto é, remover a totalidade da estrutura metálica temporária e os resíduos dos painéis de plástico que a cobriam, recuperando o muro municipal original com todos os seus elementos em cantaria de lioz e respectivos gradeamentos em ferro pintado.

Na expectativa, apresentamos os melhores cumprimentos.

Paulo Ferrero, Miguel de Sepúlveda Velloso, Fernando Jorge, Maria Teresa Goulão, Irene Santos, Fátima Castanheira, Filipe Portugal, Beatriz Empis, Gustavo da Cunha, Jorge Pinto, Carlos Boavida, Nuno Caiado,

 

Fotos de Fernando Jorge
Pedido de classificação do Monumento ao Marquês de Pombal (Lisboa) 639 640 Paulo Ferrero

Pedido de classificação do Monumento ao Marquês de Pombal (Lisboa)

Exmo. Sr. Director-Geral do Património Cultural
Arq. João Carlos Santos

CC. PCML, AML, JF e Agência Lusa

Considerando a inquestionável relevância histórica e urbana do monumento ao Marquês de Pombal, apesar da falta de cuidado com que tem sido tratada pelos serviços camarários nos últimos anos, que se traduz desde logo numa falta de limpeza evidente da praça central, aprumo nos canteiros decorativos e inacção gritante face à ocupação selvagem da envolvente com dispositivos de publicidade e propaganda;

E considerando que este monumento não dispõe de classificação autónoma, como julgamos que merece;

Serve o presente para submetermos à apreciação de V. Exa. e dos serviços da Direcção-Geral do Património Cultural, o respectivo requerimento inicial de procedimento de classificação, fazendo votos para que este seja o primeiro de vários processos de classificação de estatuária pelo país.

Juntamos para o efeito fotografias retiradas da net, conforme assinalado no requerimento

Na expectativa, apresentamos os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Nuno Caiado, Fernando Jorge, Luís Carvalho e Rêgo, Pedro Jordão, Maria Teresa Goulão, Carlos Boavida, Fátima Castanheira, Sofia de Vasconcelos Casimiro, Jorge Pinto, Paulo Lopes

Quartel (Convento) da Graça continua em degradação e abandono 599 599 Paulo Ferrero

Quartel (Convento) da Graça continua em degradação e abandono

À Aziriver, Lda., Património Crescente, SA, Azilis, SA e Sesimbrotel, SA (Grupo SANA)

 

CC. DGTF, Revive, CML, AML e DGPC, e media

Exmos. Senhores

Decorridos que estão 31 meses sobre a data de assinatura do contrato de concessão do Quartel da Graça (Convento da Graça), concessão feita ao abrigo do Programa Revive, e uma vez que a data prevista para o início da exploração daquele conjunto monumental (Monumento Nacional, Decreto n.º 29 604, DG, 1.ª série, n.º 112 de 16 maio 1939) como unidade hoteleira termina no final do presente ano, não se vislumbrando quaisquer obras em curso, apesar da publicidade em contrário;

E considerando que esta Associação tem como objecto a defesa do património edificado do distrito de Lisboa (artigo 2º dos nossos estatutos), desenvolvendo para tal as actividades que se considerem necessárias e convenientes para assegurar a sua prossecução (artigo 3º);

Solicitamos a V. Exas. que nos informem sobre quais as razões para que os pressupostos da concessão referida não tenham sido ainda materializados em obra.

Com os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Nuno Caiado, Pedro Formozinho Sanchez, Jorge Pinto, Eurico de Barros, Rui Martins, Beatriz Empis, Carlos Boavida, Filipe de Portugal, Helena Espvall, Maria Teresa Goulão, Maria do Rosário Reiche, Miguel Atanásio Carvalho, Irene Santos

 

Foto: Programa Revive
Letreiro da (antiga) Retrozaria Irmãos David 1024 1024 Paulo Ferrero

Letreiro da (antiga) Retrozaria Irmãos David

À Zilian

Exmos. Senhores

CC. Vereadora Urbanismo CML, AML, ACL/CCIP

Como será do v/ conhecimento, a fachada da vossa loja na Rua Garrett, nº 112, em Lisboa, encontra-se classificada na Carta Municipal do Património do Plano Director Municipal em vigor, item 27.26A “(Antiga) Retrozaria Irmãos David”.

Nesse âmbito, chamamos a V/atenção para a necessidade de se proceder ao restauro dos letreiros existentes sobre as montras dessa loja, e à recolocação das letras em falta neste momento (conforme imagem em anexo).

Tendo esta Associação como objecto a defesa do património de Lisboa (artigo 2º dos nossos estatutos) e desenvolvendo para tal as actividades que se considerem necessárias e convenientes para assegurar a sua prossecução (artigo 3º), solicitamo-vos que diligenciem para a salvaguarda e boa manutenção do magnífico letreiro que embeleza a v/loja.

Colocando-nos à v/disposição para ajudar no que for possível, apresentamos os nossos melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Miguel de Sepúlveda Velloso, Nuno Caiado, Gustavo da Cunha, Beatriz Empis, Jorge Pinto, Rui Martins, Carlos Boavida, Fernando Jorge, Irene Santos, Maria do Rosário Reiche

Jardim Lopes de Mendonça 1024 768 Paulo Ferrero

Jardim Lopes de Mendonça

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas
Exma. Sra. Presidente da JF Arroios
Dra. Madalena Natividade

 

CC. AML e media

Chamamos a atenção de V. Exas. para o estado deplorável em que se encontram os canteiros e os bancos do Jardim Henrique Lopes de Mendonça, transformados, os primeiros, em matagal, e maltratados, os segundos.

O arvoredo, por seu turno, está abandonado à sua sorte, os caminhos são um foco de pó mal haja uma ponta de vento. O jardim infantil não é o melhor exemplo em termos de saúde pública, basta ver a “solução” dada para cobrir as fezes dos ratos: pedras por cima.

Já a estátua em honra do autor da letra d’A Portuguesa (1890) está quase totalmente tapada por uma espécie arbórea plantada no sítio errado, servindo de urinol a céu aberto.

Solicitamos a melhor intervenção da CML e da Junta de Freguesia no sentido de devolver a este jardim a dignidade perdida, permitindo que a população, que gosta dele, possa voltar a usufruí-lo como deve ser.

Com os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Ana Alves de Sousa, Beatriz Empis, Rui Pedro Martins, Fátima Castanheira, Miguel de Sepúlveda Velloso, Eurico de Barros, Paulo Guilherme Figueiredo, Filipe Teixeira, Pedro Cassiano Neves, Helena Espvall, António Araújo, Pedro Formozinho Sanchez, Carlos Boavida, Jorge Pinto, Maria do Rosário Reiche, Ana Alves de Sousa

 

Fotos de Susana Lopes

S.O.S. Sapataria A Deusa 1024 1011 Paulo Ferrero

S.O.S. Sapataria A Deusa

Exmo. Sr. Presidente da CML
Eng. Carlos Moedas

CC. AML, Vice-Presidente, Vereadores da Cultura e Urbanismo, UACS e Agência LUSA

Em 18 de Fevereiro deste ano, solicitámos o melhor empenho da CML no sentido de esta negociar com o promotor do empreendimento “Rossio Place” a manutenção da Sapataria A Deusa, no âmbito do projecto de hotel que o mesmo submeteu oportunamente aos v/serviços (HTTP://CIDADANIALX.BLOGSPOT.COM/2022/02/SAPATARIA-DEUSA-APELO-AO-PCML-PARA.HTML).

Passados 3 meses, é com profunda decepção que constatamos que nada foi feito pela CML nesse sentido, uma vez que no próximo dia 24 termina o prazo dado aos proprietários da loja para retirarem todo o recheio do espaço, leia-se toda a decoração que contribuiu decisivamente para que A Deusa fosse classificada pela CML como Loja com História.

Perguntamo-nos como é possível que, durante todo este tempo, nem o Vereador do Pelouro com a tutela do Programa Lojas com História nem o Presidente da CML tenham entrado em contacto directo com o promotor por forma a garantir-se que o projecto de hotel, ainda em apreciação na CML, proc. 590/EDI/2020, assegurasse a salvaguarda daquela sapataria, independentemente do litígio judicial entre as partes. A salvaguarda da Deusa é do interesse da cidade!

A CML tem que usar de todos os meios ao seu alcance para defender a salvaguarda das lojas históricas da cidade, desde logo aquelas que a própria autarquia as classifica, como é o caso da sapataria A Deusa.

Como foi o caso da Tabacaria Martins, em que graças ao empenho pessoal do então Vice-Presidente da CML, foi possível conseguir que o proprietário do prédio onde a loja está alojada, corrigisse o projecto de alterações que tinha submetido à CML, de modo a que a Tabacaria Martins se mantivesse no mesmo local. Foi uma vitória de todos, a começar pela CML, e que, seguramente, os lisboetas não esquecem.

Daqui apelamos, mais uma vez, ao Presidente da CML para intervir directamente neste processo!

Na expectativa, apresentamos os melhores cumprimentos

Paulo Ferrero, Miguel de Sepúlveda Velloso, Virgílio Marques, Maria Teresa Goulão, Helena Espvall Maria do Rosário Reiche, Vítor Vieira, Eurico de Barros, Ana Alves de Sousa, Rui Martins, Ana Celeste Glória, Fátima Castanheira, António Araújo, Fernando Jorge, Bernardo Ferreira de Carvalho, Pedro Cassiano Neves, Carlos Boavida, Beatriz Empisa, Jorge Pinto